Barra Urgente

Barra Urgente


Resultado da busca pela categoria "brasil"

Justiça autoriza circulação de livro escrito por ‘Eduardo Cunha’

Domingo | 23.04.2017 | 14h01


(Foto: Reprodução)

O livro “Diário de Cadeia”, escrito por um anônimo sob o pseudônimo de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, preso na Operação Lava Jato, teve a circulação liberada pela Justiça do Rio de Janeiro. Segundo a coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo, a obra chega às livrarias na próxima semana, com uma tiragem de 10 mil exemplares. A obra estava proibida desde que o deputado cassado obteve na Justiça uma liminar que impedia a circulação. Na ação, o argumento usado pela defesa de Cunha é que o livro se trata de uma “estratégia comercial ardil e inescrupulosa dos réus, através da qual, aproveitando-se da expectativa pública de um livro que Eduardo Cunha noticiou estar a produzir sobre o impeachment, proferem, em seu nome, com redação em primeira pessoa, as mais variadas suposições e opiniões sobre a política nacional, escarnecendo sua imagem”.

Mais da metade dos contribuintes da Bahia já entregou declaração do IR

Sexta | 21.04.2017 | 17h09


(Foto; Reprodução)

Mais da metade dos contribuinte da Bahia entregou a declaração do Imposto de Renda, até as 17h desta quinta-feira (20). A informação foi divulgada pela Receita Federal no estado. Conforme o órgão, o número corresponde a mais da metade da expectativa de declarações que devem ser entregues no estado. Até as 17h, 576.747 contribuintes entregaram a declaração na Bahia. Quem ainda não enviou a declaração tem 8 dias para mandar os dados para a Receita Federal. A expectativa é de que sejam entregues cerca de 1.150 milhão de declarações em todo o estado até o término do prazo, que é 28 de abril. Segundo a Receita, a multa para o contribuinte que não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74. O valor máximo correspondente a 20% do imposto devido. Em todo o Brasil, até as 17h desta quinta, foram recebidas mais de 14,5 milhões de declarações. A Receita espera receber 28,3 milhões de documentos em todo o país.

Brasil: Grupo vendia atestados falsos por até R$ 160 pelo WhatsApp

Sexta | 21.04.2017 | 11h11


Atestados e receitas falsas eram vendidos por meio de grupo de WhatsApp, na Paraíba (Foto: Lucas Sá/DDF)

associação criminosa especializada na fabricação e negociação de atestados médicos e receitas médicas - que foi desarticulada nesta quarta-feira (19) pela Polícia Civil da Paraíba - vendia atestados por até R$ 160 por meio do aplicativo WhatsApp. Segundo o delegado de Defraudações e Falsificações de João Pessoa (DDF), Lucas Sá, o grupo de WhatsApp tinha 256 participantes, sendo 105 ativos. Segundo as investigações, os preços dos atestados variavam de R$ 60 (para 3 dias) a R$ 160 (para 14 dias). “Eles mandavam atestados por Correios para várias cidades e para outros estados. Prendemos dois em flagrante, mas pediremos a prisão dos demais. Alguns suspeitos residem em cidades do interior, mas já estão identificados”, explicou o delegado.

Renan critica MP e vê tentativa de 'desmoralizar homens públicos de bem'

Sexta | 21.04.2017 | 10h00


O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), ao discursar nesta quinta (20) (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O Líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), subiu à tribuna nesta quinta-feira (20) para criticar o Ministério Público e dizer que há uma tentativa de "desmoralizar homens públicos de bem". O G1 procurou a assessoria da Procuradoria Geral da República e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem. Renan é citado nas delações de ex-executivos da Odebrecht. Atualmente, ele é réu em um processo no Supremo Tribunal Federal por peculato (desvio de dinheiro público) e responde a outros 16, sendo 13 somente na Lava Jato.. "Tem bastado ao Ministério Público, para acusar – lançando dezenas de parlamentares na vala comum da corrupção –, que o criminoso, acuado, cite os nomes desejados e, como recompensa, abiscoite isenção de penas e regularize o patrimônio roubado", afirmou o senador em plenário. "Presenciamos, portanto, o envenenamento da democracia pelo açodamento em desmoralizar homens públicos de bem, condenados antes mesmo do processo se instaurar, afrontando o poder eleito. Este é o grande engodo das cruzadas moralistas. A generalização deixa marcas em inocentes e os abusos soterram direitos fundamentais", acrescentou o senador, em outro trecho do discurso.

Lula é o presidenciável com maior potencial de votos, afirma Ibope

Quinta | 20.04.2017 | 18h07


(Foto; Reprodução)

Pesquisa inédita do Ibope mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a ser o presidenciável com maior potencial de voto entre nove nomes testados pelo instituto. Pela primeira vez desde 2015, os eleitores que dizem que votariam nele com certeza (30%) ou que poderiam votar (17%) se equivalem aos que não votariam de jeito nenhum (51%), considerada a margem de erro. Desde o impeachment de Dilma Rousseff, há um ano, a rejeição a Lula caiu 14 pontos. A pesquisa foi feita antes de vir a público a lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com as delações de executivos da Odebrecht que acusaram o ex-presidente de corrupção, junto com dezenas de outros políticos. Se a divulgação das denúncias prejudicou a imagem de Lula (e de outros denunciados), não houve tempo de isso ser captado pelo Ibope. Os três principais nomes do PSDB, por sua vez, viram seu potencial de voto diminuir ao longo do último ano e meio. Desde outubro de 2015, a soma dos que votariam com certeza ou poderiam votar no senador Aécio Neves (PSDB-MG) despencou de 41% para 22%. 

Janot pede revogação de liminar que libertou goleiro Bruno

Quinta | 20.04.2017 | 17h10


(Foto; Reprodução)

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou que o Supremo Tribunal Federal (STF) revogasse a liminar do ministro Marco Aurélio Mello, que permite que o goleiro Bruno aguarde o julgamento de recurso em liberdade. O jogador, que atualmente defende o Boa Esporte, de Varginha (MG), foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pelo assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samudio, além do sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. O caso estava sob a tutela do ministro Teori Zavascki, morto em um acidente aéreo em janeiro, e foi encaminhado a Mello pela presidente do tribunal, Carmen Lúcia. Ainda nesta quarta (20), Bruno foi absolvido do crime de corrupção de menor, devido à participação de seu primo, Jorge Luiz Rosa, que à época tinha 17 anos.

Câmara acelera tramitação da reforma trabalhista um dia após rejeitar urgência

Quinta | 20.04.2017 | 11h10


(Foto; Reprodução)

Um dia após rejeitar pedido semelhante, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (19) um requerimento de urgência para acelerar a tramitação do projeto que estabelece a reforma trabalhista. O pedido de urgência para acelerar a tramitação da reforma foi aprovado por 287 votos a 144 em meio a muito tumulto no plenário. Para que o requerimento fosse aprovado, eram necessários, pelo menos, 257 votos favoráveis. O objetivo ao aprovar o requerimento, segundo o relator, Rogério Marinho (PSDB-RN), é votar a proposta na comissão especial na próxima terça (25) e, no plenário, na quarta (26). Com a aprovação da urgência, a comissão especial que debate o tema não precisará aguardar o prazo para a apresentação de emendas, que terminaria somente na quarta. O novo prazo se encerra às 18h de segunda (24). Durante a sessão, deputados da oposição protestaram e acusaram os parlamentars da base aliada de "golpe", por entenderem que não haveria amparo regimental para colocar o pedido em votação de novo. Os parlamentares da base, por outro lado, gritavam "voto, voto", para que o requerimento fosse votado. Na noite de terça, requerimento idêntico foi rejeitado, pois recebeu 230 votos a favor e precisava de 257. Na ocasião, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que cometeu um equívoco ao encerrar a votação antes que todos os parlamentares da base tivessem votado

Brasil: Idosa é espancada por enfermeiro dentro de UTI de hospital

Terça | 18.04.2017 | 15h09


A idosa de 78 anos foi espancada por enfermeiro dentro de UTI de hospital de São Paulo, na madrugada de domingo (16) (Foto: Reprodução/TV Globo)

Uma idosa de 78 anos, a Thereza Aparecida, foi agredida dentro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo por um enfermeiro que trabalhava no local, na madrugada de domingo (16). O funcionário suspeito do crime já foi afastado, segundo informou o hospital. A agressão correu durante o período de recuperação pós cirúrgico da senhora de idade, que, na semana anterior, havia sido submetida à uma cirurgia vascular. De acordo com informações do "G1", o enfermeiro trabalha no hospital há 27 anos e, segundo a direção do hospital, nunca havia ocorrido qualquer reclamação a seu respeito. A senhora foi encontrada pelos filhos com rosto, olho e queixo cobertos de hematomas roxos. "Ele me xingou de tudo quanto foi nome e foi me batendo, e bateu até cansar", disse Thereza Aparecida em um vídeo gravado por um dos filhos.

Governo aceita reduzir período de contribuição para mulheres na previdência

Terça | 18.04.2017 | 14h09


(Foto: Reprodução)

Mais de quatro meses após a apresentação da proposta de reforma da Previdência pelo governo federal, o relator do projeto na Câmara, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), deve apresentar nesta terça-feira (18) seu texto com mudanças que o tornam bem distante da versão original. As alterações mais recentes foram a redução da idade mínima para a aposentadoria das mulheres, a inclusão de uma regra de transição para políticos e a exigência de uma idade mínima para que servidores públicos que ingressaram até 2003 tenham direito ao benefício integral. O maior impasse gira em torno da idade mínima para aposentadoria das mulheres. A bancada feminina na Câmara insistiu em reduzir de 65 anos para 62 anos ou 63 anos. Elas não aceitaram a ideia do presidente Michel Temer de reduzir o tempo mínimo de contribuição de 25 anos para 23 anos.  Oliveira Maia resolveu ceder e consentiu em reduzir a idade mínima delas no texto final. A expectativa do relator é sair do café da manhã marcado para esta terça com o presidente Michel Temer e deputados da base no Palácio do Alvorada com a definição entre 62 anos ou 63 anos. "Acho que é muito grande a chance de mudar a idade da mulher".

Ministros da lista de Fachin não sinalizam interesse em sair do governo Temer

Terça | 18.04.2017 | 13h12


(Foto: Reprodução)

Os ministros do governo Michel Temer citados nas delações da Odebrecht não sinalizaram interesse em deixar seus cargos. Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral), Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações), Bruno Araújo (Cidades), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Marcos Pereira (Indústria e Comércio), Blairo Maggi (Agricultura) e Helder Barbalho (Integração) foram alvos da lista de inquérito do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, por conta das delações. De acordo com o blog do Camarotti, no G1, os ministros não têm interesse em sair do governo e Temer não deverá demitir nenhum auxiliar. A avaliação é que se algum deles for retirado do cargo, o gesto abrirá procedentes para os demais. A situação é encarada como um problema para o governo, que teria que lidar com as trocas de ministros em um momento de trabalho para aprovação de reformas no Congresso. 

Placar da Previdência continua com 275 votos contra e 101 a favor da reforma

Segunda | 17.04.2017 | 20h08


(Foto: Reprodução)

A atualização do Placar da Previdência, levantamento realizado pelo Grupo Estado com deputados a respeito de reforma que tramita na Câmara, mostra que o número de parlamentares contrários à proposta continua em 275, enquanto o dos que são a favor, foi mantido em 101. Na manhã desta segunda-feira (17) havia 35 indecisos; 64 não quiseram responder; 36 não foram encontrados, e um disse que deve se abster. O levantamento também mostrou que 71 deputados são a favor, mas com alteração da idade mínima para mulheres e 55 apoiam as mudanças mas com alteração da idade mínima para homens. Além disso, 76 são favoráveis, mas com criação de uma regra de transição para homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 anos, e 78 defendem a retirada da exigência de 49 anos de contribuição para ter o direito de benefício integral. 

Avaliação ótima ou boa do governo Temer caiu para 9%, aponta pesquisa Ibope

Segunda | 17.04.2017 | 19h09


(Foto: Reprodução)

Cada vez mais rejeitado pela população, Michel Temer (PMDB) chegou a um dígito de popularidade, com apenas 9% de ótimo ou bom na última pesquisa do Ibope. Essa pesquisa, divulgada pelo Estado de S. Paulo, foi fechada antes da divulgação das delações da Odebrecht, em que Temer e oito de seus ministros foram citados. Embora defensores do peemedebista ressaltem que a desaprovação é geral, contra todos os políticos, com o presidente a situação parece ser mais grave. A pesquisa mostrou que a média de ótimo e bom dos governadores é de 22%. A dos novos prefeitos é mais de quatro vezes superior, em 37%. Em uma análise temporal, o quadro segue crítico. Se comparado com os resultados da pesquisa de 2015 – quando o Ibope avaliou as três esferas do governo ao mesmo tempo pela última vez –, Temer é o único que sai em baixa. No âmbito nacional, o ótimo e bom dos governadores cresceu três pontos. Já o dos prefeitos saltou 13 pontos porque os recém-eleitos foram empossados há 100 dias.

Mais da metade dos brasileiros está com peso acima do recomendado

Segunda | 17.04.2017 | 17h06


(Foto: Reprodução)

O Ministério da Saúde afirmou nesta segunda-feira (17) que o excesso de peso no Brasil cresceu 26,3% nos últimos dez anos, passando de 42,6% em 2006 para 53,8% em 2016. De acordo com a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), o problema é mais comum entre os homens: passou de 47,5% para 57,7% no período. Já entre as mulheres, o índice passou 38,5% para 50,5%. O levantamento revela que, no Brasil, o indicador de excesso de peso aumenta com a idade e é maior entre os que têm menor grau de escolaridade. Nas pessoas com idade entre 18 e 24 anos, por exemplo, o índice é de 30,3%. Já entre brasileiros de 35 a 44 anos, o índice é de 61,1% e, entre os com idade de 55 a 64 anos, o número chega a 62,4%. Já na população com 65 anos ou mais, o índice é de 57,7%. Em relação à escolaridade, 59,2% das pessoas que têm até oito anos de apresentam excesso de peso. 

Diga 'Chocolate' e leve sua propina, diz executivo

Segunda | 17.04.2017 | 12h12


O executivo Hilberto Mascarenhas, chefão do Departamento de Propinas da Odebrecht, disse aos procuradores da força-tarefa do Ministério Público Federal que ‘Chocolate’ era a senha para políticos e gestores públicos pegarem valores ilícitos. “Chegava no local e dava a senha ‘chocolate’. Vim pegar meu ‘chocolate, é cem (mil)’. Dizia senha e dizia o valor.” Hilberto contou que o doleiro Álvaro Galliez Novis – suposto repassador de dinheiro ilícito do esquema do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB/RJ) – foi assaltado certa vez no Jockey Club do Rio. Os ladrões levaram entre R$ 7 milhões e R$ 8 milhões que estavam sob a guarda de Novis. O delator foi ouvido pelos procuradores da Lava Jato no dia 14 de dezembro, na sede da Procuradoria da República em Ribeirão Preto (SP). 

Temer afirma que compartilha da indignação dos brasileiros com delações

Domingo | 16.04.2017 | 12h04


(Foto; Reprodução)

O presidente Michel Temer afirmou neste sábado (15) que compartilha da indignação da população com o conteúdo das delações premiadas de executivos e ex-executivos da Odebrecht. Em entrevista à TV Band, ele admitiu que já esperava uma lista "robusta" de pessoas citadas nos depoimentos. “A indignação é verdadeira, e eu compartilho essa indignação. Eu não faço uma crítica à indignação que a população sente, é mais que razoável. É legítima porque é quase, digamos assim, assustador”, declarou o presidente. "As pessoas leem aquilo e dizem ‘meu Deus, como é que o Brasil está sendo governado?’", completou. Temer voltou a negar que tenha negociado o pagamento de propina para o PMDB em uma reunião com um representante da Odebrecht em 2010 e disse que os encontros com empresários eram rotineiros. "Não tratamos de nenhuma questão de valores, nada disso. O objetivo central era me cumprimentar. Não se falou de nenhum tema escuso", relatou. O presidente comentou a sua baixa popularidade e reconheceu que depende do Congresso Nacional para dar sequência à sua gestão. "Sei que meu índice de popularidade é pequeno, a imprensa também não me dá grande apoio. O grande apoio que eu tenho é pelo Congresso Nacional. Consegui aprovar coisas que estavam paradas lá há muito tempo", avaliou. Uma pesquisa divulgada pelo Ibope no final de março indica que Temer é aprovado por 10% e reprovado por 55% dos brasileiros.

Apesar de perspectiva otimista do governo, deputados questionam reforma da previdência

Domingo | 16.04.2017 | 10h07


(Foto; Reprodução)

Mesmo com a disposição do governo para flexibilizar pontos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, que trata da reforma da Previdência, o tema continua sensível, inclusive para partidos da base aliada do presidente Michel Temer. Os principais questionamentos são a idade mínima unificada de 65 anos (para homens e mulheres) e os 49 anos de contribuição para ter acesso ao benefício integral. O relator da reforma da Previdência na Câmara, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) fará no próximo dia 18 a leitura de seu relatório na comissão especial de análise da PEC 287. Espera-se que o texto modifique cinco pontos polêmicos da reforma, conforme autorizado por Temer na última semana. São eles: regra de transição para quem está na ativa, aposentadoria do trabalhador rural, aposentadoria especial para professores e policiais, pensão por morte e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a deficientes físicos e idosos sem condições de sustento. Segundo a Agência Brasil, os temas são citados recorrentemente nas 130 emendas apresentadas por parlamentares ao texto. Mesmo com as mudanças, o governo ainda tem discordâncias a contornar. O deputado Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), cujo partido integra a base de Temer, acredita que as alterações ainda não são suficientes para garantir a aprovação da reforma. 

Temer decide manter os oito ministros alvos de inquéritos no STF, diz colunista

Sábado | 15.04.2017 | 13h09


(Foto; Reprodução)

O presidente Michel Temer decidiu manter os oito ministros citados nas delações da Odebrecht e contra os quais foram abertos inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). Os ministros são Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria Geral), Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações), Bruno de Araújo (Cidades), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Marcos Pereira (Indústria e Comércio Exterior), Blairo Maggi (Agricultura) e Helder Barbalho (Integração). Todos negam envolvimento com irregularidades. De acordo com o blog do Gerson Camarotti, no G1, a avaliação do Palácio do Planalto é que uma saída em massa prejudicaria o governo no momento em que a ordem é tentar aprovar a agenda de reformas no Congresso. Em fevereiro, o presidente chegou a dizer que afastaria temporariamente os ministros que fossem denunciados e em definitivo se virasse réus.

Brasil: Mulher morre após levar choque com chapinha desencapada

Sábado | 15.04.2017 | 10h09


A técnica em enfermagem Maria Kamylla Santana da Silva, de 28 anos, morreu após receber uma descarga elétrica de uma chapinha de cabelo com o fio desencapado. O acidente aconteceu na última quinta-feira (13), no bairro de Cidade Tabajara, em Olinda, Região Metropolitana do Recife (RMR). Ela estava se arrumando para uma festa em família quando recebeu o choque. A jovem foi sepultada nesta sexta-feira (14). Maria Kamylla estava sozinha em casa quando o acidente aconteceu. Enquanto se preparava para o aniversário do irmão, ela não percebeu que sua chapinha estava com um fio exposto. Ao tocar nele, a jovem levou um forte choque. A técnica em enfermagem foi encontrada ainda com vida pela mãe, que chamou socorro. A vítima foi socorrida para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas chegou ao local sem vida. Maria Kamylla era casada e deixa dois filhos de 10 e 14 anos. De acordo com a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), 590 pessoas morreram no Brasil em decorrência de choque elétrico em 2015.

Delator da Odebrecht relata pagamento de propina de R$ 3,6 milhões a Geddel Vieira Lima

Sábado | 15.04.2017 | 09h07


(Foto; Reprodução)

O ex-ministro Geddel Vieira Lima é suspeito de receber R$ 3,6 milhões de propina da construtora Odebrecht entre os anos de 2007 e 2010, quando estava à frente do Ministério da Integração Nacional, durante o governo Lula. A acusação foi feita pelo ex-executivo da empreiteira João Pacífico, em delação. Segundo Pacífico, o repasse a Geddel foi registrado no sistema da Odebrecht que controlava pagamentos não declarados. Ainda conforme a delação, no esquema, o político baiano era identificado como "Babel". Um dos motivos apontados para o pagamento, segundo o delator, foi a ajuda de Geddel para o pagamento referente a um contrato da empreiteira com a prefeitura da capital baiana, à época. Os serviços prestados pela Odebrecht , de acordo com Pacífico, integravam o projeto chamado de Transporte Moderno, que contemplava várias intervenções em Salvador, sobretudo obras viárias que reduzissem congestionamentos.

Odebrecht explica como caixa 2 se tornou comum: ‘Esse crime todo mundo praticou’

Sexta | 14.04.2017 | 14h12


(Foto: Reprodução)

O ex-presidente da empreiteira Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, narrou durante seu acordo de delação premiada como a prática de caixa 2 foi “naturalizada” durante as campanhas eleitorais. Segundo o executivo, não existiu nenhuma campanha nos últimos anos que não tenha recebido valores não declarados, mesmo que os candidatos beneficiados não soubessem disso. Odebrecht explicou que as verbas não oficiais eram uma forma de garantir o apoio a um candidato com quem tivessem uma relação mais forte sem que os concorrentes tivessem noção disso. "Não tem como você dar um montante diferenciado sem ser de caixa 2. Porque o limite que a gente definia internamente para um candidato a governador era R$ 200 mil. Então todo lugar em que a gente tinha uma relação forte, por mais que usasse o comitê estadual ou nacional, tinha um limite. Em algum momento, se tinha uma relação diferenciada, tinha caixa 2", garantiu. Marcelo explicou que os postulantes sabiam que todos recebiam valores não declarados, “mas não conseguiam precisar quem tinha recebido mais dinheiro”. "Eu não conheço nenhum político no Brasil que tenha conseguido fazer qualquer eleição sem caixa 2. Caixa 2 era três quartos do que eles tinham.